Confira

Confira a lista completa de agências

Saiba por que contratar uma agência associada é a solução mais adequada do mercado.

  • AD.Dialeto
  • Futurelab
  • Dainet
  • Conversion
  • Agência Orange Five – AO5
  • Capuccino Digital
  • SEO Marketing
  • e/ou
  • Punto Comunicação Multimeios
  • Conteúdo Online
  • Carranca
  • Digital Industry
  • Agência Pulso

A Internet é a Alma do Negócio




A Internet é a Alma do Negócio

Há mais ou menos 50 anos, uma meia dúzia de caras geniais inventou o modelo de negócios da propaganda no Brasil.

Tá, tudo bem, eu sei que hoje o setor se diz “em crise”.

Mas, sinceramente, é uma “crise” relativa, que ainda garante margens bem razoáveis e até permite aos criativos mais renomados ir a Cannes todo ano, além de jantar no Fasano uma vez que outra. Lógico, que somente com cliente importante e sem abusar na safra do pinot noir.

Crise mesmo, pelo menos para mim, é o que passa hoje a indústria do calçado no Rio Grande do Sul, o Senado Federal ou o time do Corinthians.

Bom, o fato é que se a primeira geração da propaganda conseguiu esse feito de criar um modelo de negócios incrível que sustenta até hoje uma poderosa indústria, a segunda geração, através de suas entidades, está preocupada apenas em manter a qualquer preço o modelo antigo.

Enquanto se preocupam em segurar o que existe, se descuidam de influenciar nos novos modelos de negócios e principalmente atuar politicamente no que é novo.

Falo especificamente do modelo de regulamentação da internet no Brasil.

Todos nós reconhecemos que a internet é visual, interativa, cada vez mais multimídia, colaborativa, etc.

Logo, é um ambiente apoteótico e ideal para as mais diferentes formas de expressão, negócios e, obviamente, de publicidade.

No Brasil, para quem ainda não sabe, existe desde 1995 o CGI.br  (Comitê Gestor de Internet no Brasil), órgão criado pelo Ministério das Comunicações e pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Cabe ao CGI discutir o modelo e as diretrizes estratégicas do uso da internet no Brasil. Diretrizes essas que poderão e deverão afetar o negócio da propaganda, que ainda engatinha no modelo digital.

Esse comitê é composto por nove membros indicados pelo governo e 12 membros eleitos por diversas entidades que “representam” o setor empresarial, a comunidade acadêmica e o terceiro setor.

Várias comissões de trabalho estão desenvolvendo projetos que entre outros temas devem propor regulamentações para assuntos tão importantes quanto conteúdos para a web, indicadores da internet no Brasil, anti-spam ou segurança de informação.

O incrível disso tudo é que nesses 21 membros do CGI.br não existe nenhum representante do mercado publicitário. Não existe sequer um representante com formação ou experiência na área da comunicação ou do marketing.

Bom, e por que não tem?

Porque as lideranças da propaganda não entenderam a necessidade de estar lá, compondo de alguma forma o colégio eleitoral que elege 12 dos 21 representantes do comitê. Ao contrário das entidades da propaganda, as entidades da Tecnologia da Informação estão muito bem representadas e hoje dão as cartas no CGI.br.

Embora atrasados, ainda dá tempo de se organizar, acompanhar os temas que estão sendo discutidos nos grupos de trabalho e influenciar na próxima eleição, que será em 2010, bem no finalzinho do segundo e último mandato do governo Lula.

Só não vale é ficar parado e, depois, chorar o leite derramado.

Cesar Paz




X